???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/12053
Tipo do documento: Dissertação
Título: Achados audiológicos em crianças pós meningite e o uso da dexametasona
Título(s) alternativo(s): Dexamethasone and audiological data in post meningitis children
Autor: Gomes, Marcela Marreiro
Primeiro orientador: Santos, Teresa Maria Momensohn dos
Resumo: Objetivo: Analisar o quadro audiológico de crianças que contraíram meningite segundo a variável uso da dexametasona no tratamento médico. Métodos: Foi realizado o levantamento e análise de dados de prontuários de 135 crianças na faixa etária de 3 meses a 16 anos e 6 meses de idade, que contraíram meningite e que foram assistidas no programa de detecção e identificação de perda auditiva no Instituto de Infectologia Emílio Ribas (IIER) e na Derdic, no período compreendido entre Fevereiro de 2001 a Julho de 2003. Foram levantadas as seguintes informações da avaliação audiológica mais recente realizada pela criança na Derdic: audiometria; resultados das emissões otoacústicas evocadas por estímulo transiente e/ou emissões otoacústicas produto de distorção; resultados da timpanometria; resultados do nível de alerta para fala. No IIER foram coletados dados referentes ao: intervalo de tempo entre o aparecimento dos primeiros sintomas da doença e a hospitalização; duração do período de internação; diagnóstico etiológico; uso da dexametasona; parâmetros do uso desta droga (momento em que foi usada: antes, durante ou depois do antibiótico; dose utilizada; tempo de uso e esquema de administração). Resultados e Conclusões: A chance da criança que não recebeu a dexametasona no seu tratamento médico apresentar alteração na avaliação audiológica é quase três vezes maior do que nas crianças que receberam este medicamento. Os parâmetros de uso da dexametasona (momento em que foi usada: antes, durante ou depois do antibiótico; dose utilizada; tempo de uso e esquema de administração) não mostraram relação estatisticamente significante com a presença de alteração na avaliação audiológica. A avaliação audiológica alterada foi verificada em 34% das crianças avaliadas. Houve um predomínio de perdas auditivas de grau leve (11,69%) e moderada (15,59%) bilaterais. A perda auditiva unilateral esteve presente em 11,69% das crianças. Quanto ao tipo de perda auditiva, 52% foi neurossensorial, 38% condutiva e 10% não determinada. As crianças do gênero masculino têm 2,5 vezes mais chance de ter alteração na avaliação audiológica em relação ao gênero feminino. O agente etiológico de maior prevalência foi o Neisseria meningitidis, mas esta variável não se mostrou significante na determinação de alteração na avaliação audiológica. A idade da criança na alta hospitalar mostrou uma tendência a determinar uma alteração na avaliação audiológica, mostrando que as crianças menores de cinco anos de idade estão mais propícias a apresentarem este tipo de alteração. A idade da criança na época da avaliação audiológica, assim como o tempo de internação e o período entre o diagnóstico da doença e a hospitalização, não foram variáveis determinantes na presença de alteração na avaliação audiológica
Abstract: Objective: To analyse the influence of dexamethasone on audiological data on a group of from meningitis children. Method: This is a retrospective study based on audiological and medical files from a group of 135 children, whose ages ranged from 3 months to 16,6 years old, that had meningitis and were attended at the Hearing loss screening and Identification Program that happens at Emílio Ribas Infectology Institute (IIER) and at DERDIC Division of Education and Rehabilitation of Communication Disorders from PUC/SP. All the children were evaluated among February 2001 and July 2003. We looked for the following informations at the last audiological evaluation at DERDIC: pure tone audiometry, otoacustic emissions for transient stimuli and for distortion product, tympanometry, awareness speech level. At IIER we searched for informations about: interval between the first syntoms of illness and the hospital admission; time of hospitalization; etiological agent; the dexamethasone use; how the drug was given (before, during or after antibiotics); drug dosage; administration schedule. Results and Conclusion: Regarding to the use of dexamethasone, we found that the probability of a child present a hearing disorder after meningitis is three times bigger for the group that did not receive it during treatment. Features like administration time (before,during or after), drug dosage, duration and schedule of use, did not show to be significant on relation to the presence of hearing disorders. We found that 34% of all the children presented an altered audiological evaluation. We found an occurrence of bilateral mild hearing loss in 11,69% of children, and bilateral moderate hearing loss in 15,59%. Unilateral hearing loss was present in 11,69% of children. Regarding to the type of hearing loss, 52% were sensorineural, 38% were conductive and 10% were indetermined. Male children presented 2,5 more chances to present an abnormal hearing. The most prevalent etiological agent was Neisseria meningitidis, but this was not significant for hearing disorders. Children s age at hospital admission showed a tendency to determine the presence of a hearing disorders, children under five years of age presented the higher risk. Age of children at the audiological evaluation, as duration of hospitalization and the lag time between the illness diagnosis and hospital adimission was not a strong variable for the hearing disorder
Palavras-chave: audição
criança
dexametasona
Hearing
children
meningitis
dexamethasone
Audiologia
Surdez
Meningite
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::FONOAUDIOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Fonoaudiologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Fonoaudiologia
Citação: Gomes, Marcela Marreiro. Achados audiológicos em crianças pós meningite e o uso da dexametasona. 2005. 101 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/12053
Data de defesa: 8-Mar-2005
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Fonoaudiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Marcela Marreiro Gomes.pdf4,73 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.