Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/14778
Tipo do documento: Dissertação
Título: Edgar Allan Poe e Mário de Sá-Carneiro: os fantasmas e a criação literária do fantástico
Autor: Nestarez, Oscar Andrade Lourenção 
Primeiro orientador: Oliveira, Maria Rosa Duarte de
Resumo: A dissertação desenvolve uma reflexão sobre o modo do fantástico na literatura à luz de uma operação basilar do processo cognitivo-imaginativo, advinda do pensamento clássico de Aristóteles: os fantasmas produzidos pela imaginação. A investigação se dá por meio da leitura comparativa entre duas narrativas Ligéia (1838), de Edgar Allan Poe e A Grande Sombra (1915), de Mário de Sá-Carneiro -, tendo por suportes teóricos os estudos de Remo Ceserani (O fantástico, 1996), Irène Bessière, (Le récit fantastique la poétique de l incertain,1974) e Giorgio Agamben (Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental, 1977), além das reflexões críticas de Edgar Allan Poe sobre os vínculos entre os fantasmas imaginários e a criação poética em A filosofia da composição (1845), The poetic principle (1850) e Marginália (1849). Indaga-se como, a partir das diferenças entre ambas as narrativas seja pela distância temporal, seja pelas marcas do fantástico, mais visíveis em uma ( Ligéia ) do que em outra ( A Grande Sombra ) , a raiz do modo literário do fantástico poderia se inscrever nos fantasmas imaginativos produzidos em nível de enredo e, mais especificamente, no de enunciação. A hipótese é a de que tanto Ligéia quanto A Grande Sombra apontam para a criação de fantasmas pela faculdade imaginativa como a responsável pelos efeitos estéticos do fantástico. Isso se dá por meio da singularidade de um processo enunciativo fundamental: aparições espectrais, tanto em nível de enredo quanto no das múltiplas visões do narrador e no do discurso poético-fantasmático, marcado pela crise da representação de referentes em ausência. A análise comparativa revela que a relação fantasma-fantástico se manifesta em ambos os textos, porém com pesos distintos: em Ligéia , dominam os operadores do modo fantástico espectros, duplos, projeções entre luz e sombra, ambientação e terror propiciados pelo gótico e, sob esse plano, subjaz o do discurso fantasmático do narrador-autor na sua corrente subjacente de sentido . Em A Grande Sombra , é o discurso sensacionista-fantasmático do diário de um narrador-autor que sobressai, deixando em segundo plano o enredo e sua ambientação fantasmagórica
Abstract: This dissertation proposes a reflection about the fantastic mode in literature in the light of a fundamental operation of the cognitive process: the phantasms produced by the imagination. The investigation occurs through a comparative reading between two narratives Edgar Allan Poe s Ligeia (1838) and Mário de Sá-Carneiro s The Great Shadow (1915) , having by theorical support the studies from Remo Ceserani (The Fantastic, 1996), Irène Bessière (Le récit fantastique la poétique de l incertain, 1974) and Giorgio Agamben (Stanzas: word and phantasm in western culture, 1977), as well as Poe s critical reflections found in The philosophy of composition (1845), The poetic principle (1850) and Marginalia (1849) about the links between imaginary phantasms and poetical creation. Taking into consideration the significative diferences between the two texts either by the temporal distance or by the fantastic characteristics (more notable in Ligeia ) , this project asks how the root of the fantastic mode in literature can relate with the imaginative phantasms produced in terms of plot and, more specifically, enunciation. The hypothesis is that both Ligeia and The Great Shadow point to the creation of phantasms by the imaginative faculty as the responsable for the effects of the fantastic. This happens though the singularity of a central enunciative process: the spectral apparitions in both plot and in the multiple visions of the narrator in the poetic-phantasmatic discourse, marked by the crisis in representation. The comparative analysis reveals that the phantasm-fantastic relation manifests itself in both texts, although in different terms: in Ligeia , the procedures of the fantastic mode are everywhere spectres, doubles, projections between light and shadow and terror caused by gothic ambience; and, underneath this plan, lies the narrator-author s phantasmatic discourse. In The Great Shadow , on the other hand, excels the sensationist-phantasmatic narration on the form of a diary, leaving the plot and its phantasmagoric ambiance in second plan
Palavras-chave: Fantástico
Fantasma
Imaginação
Edgar Allan Poe
Mário de Sá-Carneiro
Fantastic
Phantasm
Imagination
Área(s) do CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Literatura
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária
Citação: Nestarez, Oscar Andrade Lourenção. Edgar Allan Poe e Mário de Sá-Carneiro: os fantasmas e a criação literária do fantástico. 2016. 80 f. Dissertação (Mestrado em Literatura) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/14778
Data de defesa: 16-Mar-2016
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Oscar Andrade Lourenao Nestarez.pdf883,99 kBAdobe PDFThumbnail

Baixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.