???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18450
Tipo do documento: Tese
Título: Sobre tradução intersemiótica
Autor: Plaza, Julio 
Primeiro orientador: Santaella, Lucia
Resumo: A primeira referência (explícita) à Tradução Intersemiótica que tive oportunidade de conhecer foi nos escritos de Roman Jakobson. De que tenho notícia, Jakobson foi o primeiro a discriminar e definir os tipos possíveis de tradução: a interlingual, a intralingual e a intersemiótica. Algum tempo depois, por volta de 1980, 0 Mestre Haroldo de Campos introduziu-me, com o rigor e a sensibilidade que o caracterizam, na teoria da "operação tradutora" intra e interlingual de cunho poético. Tendo sua preocupação voltada para o problema da tradução como forma e para os procedimentos poéticos que essa preocupação envolve, os escritos (hoje já em grande número) e os cursos ministrados por Haroldo de Campos no programa de pós-graduação em Comunicação e Semiótica da PUCSP já abriam caminho para indagações sobre a tradução que extrapolam características meramente linguísticas. Não sendo eu artista da linguagem verbal, comecei a atrair essa preocupação para o meu campo, isto é, comecei a me preocupar com a tradução em diferentes linguagens, ou melhor, a tradução que envolve o trânsito entre códigos e meios diversos. Vi, então, que não existia uma teoria da Tradução Intersemiótica. Dessa ausência, surgiu este trabalho. De lá para cá, passaram-se cinco anos. Até a presente data, desconheço trabalho similar. Isto não quer dizer, evidentemente, que não podem estar existindo investigações nesse campo. Com as mesmas características deste trabalho, no entanto, se existirem, escaparam ao meu conhecimento. Creio que problemas de Tradução Intersemiótica devem ter um tratamento de tipo muito especial, visto que as questões colocadas por esse tipo de operação tradutora exigem o concurso (ou o trabalho conjunto) de especialistas nas diversas linguagens. Acho quase impossível que um especialista, cuja prática se processa só em uma determinada área semiótica, possa dar conta da importância que o problema da tradução inter-linguagens exerce no campo das artes e comunicações contemporâneas. O presente trabalho está elaborado a partir da familiaridade e experiência, com diversas línguagens e meios (artesanais, industriais, eletro-eletônicos), experi~encia esta que vem de longa data e que sempre tomou corno centro de imantação a iinguagern visual. Quer dizer: minha produção como artista, de uma forma ou de outra, especializou-se nessa área. Assim, a reflexão que ora apresento sobre os problemas da tradução Intersemiótica está, inevitavelmente, influenciada por essa característica. É a partir desse referencial que me exercitei na própria prática da tradução, assim como na teoria semiótica que deu suporte às minhas reflexões. A operação da tradução de cunho intersemiótico - por mim concebida como forma de arte e como prática artistica inserida na medula da nossa contemporaneidade - necessita de apoio teórico para que possam ser inteligidas as operações inter e intracódigos. Isto porque as teorias existentes da Tradução Poética, nascidas da prática inter e intralingual, embora cheguem a apontar para, obviamente não abordam questões as especificas que são relativas à Tradução Intersemiótica. Este trabalho é, antes de tudo, resultado dê uma prática, mas é também a tentativa ou esforço de uma reflexão endereçada para as questões que dão à tradução seu cunho Intersemiótico. De resto, interessa-me especialmente a relação entre especialidades, pois que a especialização favorece o isolamento dos sentidos, quer dizer, das linguagens. Procurei eliminar, se possivel, a relação dicotômica, hierárquica, logocêntrica entre a teoria e a prática ao buscar UIT, a visão critico-criativa (isto é, flagar o que há de síntese numa análise e o que há de análise numa sintese), o que não é necessariamente a dimensão do erudito, nem do especialista, mas a do homem semiótico. O homem que transita na sensibilidade signica oriental. Já viu McLuhan que a arte, na era da eletricidade, "não será uma forma de auto-expressão", na verdade, se converterá num tipo NECESSÁRIO de pesquisa e aprofundamento
Palavras-chave: Tradução intersemiótica
Área(s) do CNPq: CNPQ::
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Comunicação
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Citação: Plaza, Julio. Sobre tradução intersemiótica. 1985. 320 f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1985.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/18450
Data de defesa: 12-Sep-1985
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Julio Plaza.pdf12,39 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.