???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/1891
Tipo do documento: Dissertação
Título: Uma antropologia para além do homem: religião e hominização na obra esferas de Peter Sloterdijk
Autor: Ribeiro, Rodrigo Petronio 
Primeiro orientador: Ponde, Luiz Felipe
Resumo: Este estudo consiste em uma análise da obra Esferas de Peter Sloterdijk a partir de duas categorias centrais: religião e hominização. A primeira categoria diz respeito ao vocabulário e às narrativas teológicas e religiosas de que Sloterdijk se vale para desenvolver a teoria das esferas. A segunda consiste em uma teoria sobre a hominização que podemos depreender da esferologia. Nesse caso, não se trata de pensar o humanismo ou o anti-humanismo, mas sim o hominismo, ou seja, as abordagens de longa duração que dimensionam o antropos. Para tal abordagem, coloquei a esferologia em diálogo com duas teorias centrais nas investigações da filosofia evolucionária: o paradoxo compreensivo e a emergência. Existe uma região de indecidibilidade entre as matrizes biológicas e linguísticas que determinam o antropos. Minha hipótese é a de que a esferologia é uma teoria capaz de superar essa dicotomia estrutural, pois ela não é uma filosofia monista nem dualista, mas diádica. Recorri a outros teóricos e conceitos para entretecê-los à narrativa das esferas. Entre eles, as teorias sobre sistemas de imunização, a teoria geral dos sistemas, a mediologia e a definição de sistema-mundo, todas descritas na Introdução, onde enumero o instrumental teórico deste trabalho. Concentrei-me no primeiro volume de Esferas, que trata das Bolhas, ou seja, dos processos discretos de intimização. Para Sloterdijk, os seres humanos são criaturas extáticas sobre as quais opera o Exterior. A humanidade do ser humano consiste justamente nos infinitos mediuns imunológicos eficazes que o antropos criou para conseguir se preservar imune à devastação extra-humana e à indiferença da natureza em relação à espécie. Em outras palavras, a humanidade do ser humano reside justamente na sua capacidade de criar sistemas imunologicamente eficientes contra o atravessamento das forças extra-humanas, cada vez mais crescentes na modernidade. O ser humano é um interior sobre o qual opera um puro Exterior. É aquele que consegue, por meio de tecnologias de domesticação, incorporar o não-próprio ao próprio, o não-sentido ao sentido. Nisso consiste a longa odisseia antropoesferológica da espécie. Essa jornada é um continuum ininterrupto que descreve sistematicamente as diversas concepções que o ser humano tem de si mesmo, ou seja, além de ser uma emergência do sapiens na cena mundana, em termos biológicos, ela consiste em uma incessante autocompreensão e autoapreensão da estrutura ontológica do antropos. Essas imagens que descrevem o itinerário emergente das diversas fascinações de proximidade, em seu paradoxal modo de compreensão, são os meios precários com os quais o antropos conseguiu desvelar a sua própria humanidade. Chamo esses modos de figuração da estrutura ontológica do humano de antropogemas. As esferas são narrativas hominizadoras do itinerário da espécie. A esferologia procura, por meio desses antropogemas, chegar à região pré-compreensiva que fundamenta ontologicamente o humano, para além das visões bivalentes e monovalentes, dos dualismos e dos reducionismos e, desse modo, superar antinomias internas destes sistemas
Abstract: This study is an analysis of the work of Peter Sloterdijk Spheres from two main categories: religion and human evolution. The first category concerns the vocabulary and the theological and religious narratives that Sloterdijk uses to develop the theory of the spheres. The second consists an a theory of human evolution, that we can glean from esferologia. In this case, it is not thinking humanism and anti-humanism, but the hominismo, wherever, long-term approaches that scale the anthropos. For such an approach, I put the esferologia in dialogue with two central theories in investigations of evolutionary philosophy: the paradox comprehensive and a theory of emergency. There is a region of undecidability between linguistic and biological matrices that determine the anthropos. My hypothesis is that a theory esferologia is able to overcome this structural dichotomy, because it is not a dualistic or monistic, but dyadic philosophy. Resorted to other theoretical concepts and weaves them to the narrative of the spheres. Among them, theories about immunization systems, the general systems theory, the definition of the mediologia and the world-system, all described in the Introduction, where I list the theoretical tools of this work. I focused on the first volume of Spheres, which deals with the bubbles and the discrete processes of human inner. For Sloterdijk, humans are creatures ecstatic about which operates Abroad. The humanity of man consists precisely in infinite immunological effective mediums that anthropos created to achieve preserving immune to extra-human devastation and indifference of nature in relation to specie. In other words, the humanity of the human being lies precisely in its ability to create efficient systems immunologically against the crossing of extra-human forces, increasingly growing in modernity. The human being is an interior which operates on a pure Abroad. It is he who can, through domestication technologies, incorporating non-self to self, the sense of non-sense. Therein lies the long odyssey antropoesferológica species. This journey is an uninterrupted continuum that systematically describes the many concepts that man has of himself, that is, apart from being an emergency sapiens in the mundane scene, in biological terms, it consists in an unceasing caught itself and the ontological structure the anthropos. These images depicting the journey of several emerging fascinations proximity, in his paradoxical way of understanding are the only ways that the precarious anthropos willing to reveal their own humanity. I call these modes of figuration of the ontological structure of human being antropogemas. The spheres are narratives hominizadoras the itinerary of the species. The esferologia search through these antropogemas, reaches the region pre-ontologically understanding that underlies the human vision beyond the bivalent and monovalent, and the dualisms reductionisms and there by overcome internal antinomies present in all such systems
Palavras-chave: Antropologia
Esferas
Religião
Hominização
Paradoxo
Emergência
Imunização
Humanidade
Mediologia
Antropogema
Díade
Ontologia
Anthropology
Spheres
Religion
Hominismo
Paradox
Emergency
Immunization
Mediologia
Antropogema
Dyad
Ontology
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::SOCIOLOGIA::OUTRAS SOCIOLOGIAS ESPECIFICAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Ciências da Religião
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião
Citação: Ribeiro, Rodrigo Petronio. Uma antropologia para além do homem: religião e hominização na obra esferas de Peter Sloterdijk. 2013. 216 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/1891
Data de defesa: 16-May-2013
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Rodrigo Petronio Ribeiro.pdf1,48 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.