???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22235
Tipo do documento: Tese
Título: A vida após dez anos do acolhimento institucional: a processualidade dos afetos e vínculos
Título(s) alternativo(s): Life after ten years of institutional foster care: the process of affections
Autor: Bento, Rilma 
Primeiro orientador: Sawaia, Bader Burihan
Resumo: Esta tese discute a medida de acolhimento e desacolhimento institucionais e tem como objetivo analisar o que aconteceu na vida de um jovem após dez anos de saída da instituição de acolhimento por maioridade. O sujeito da pesquisa esteve em acolhimento institucional e foi atendido pela pesquisadora no programa de “Recolocação Familiar” nos anos de 2006 e 2007, em um município da região do ABCD paulista. Procurou-se identificar como o jovem se reorganizou uma década após a saída da instituição de acolhimento, mediante decisão judicial, até o momento, analisando a qualidade dos vínculos na sua processualidade, que ele foi construindo com as pessoas no contexto familiar e institucional, nesse período. A coleta de dados foi realizada de forma qualitativa, de tipo longitudinal, por meio do método retrospectivo, que utiliza as narrativas de vida ou entrevista biográfica para reconstruir sequências de acontecimentos na vida dos indivíduos. Foram utilizados os seguintes procedimentos: pesquisa bibliográfica e documental, incluindo leis, portarias, pesquisas e documentos oficiais do poder judiciário, análise do prontuário do sujeito, e entrevistas semiestruturadas, com o sujeito e com pessoas de sua família, na tentativa de englobar a totalidade de sua vida. O estudo é orientado pela teoria da psicologia sócio-histórica, cujo principal teórico é Vigotski e, no Brasil, Lane, tal como são apropriados pelo NEXIN e sua coordenadora, Sawaia. Também compõem o referencial teórico, respeitadas as diferenças epistemológicas, conceitos de Winnicott, que abordam a relação entre o desenvolvimento emocional e o ambiente. A partir do método de investigação proposto por Vigotski, buscou-se unidades de sentido, comuns e individuais. Os resultados obtidos indicam que o tipo de acompanhamento recebido pelo sujeito e sua família, antes, durante e após a saída da instituição de acolhimento, pelo judiciário e pelos equipamentos públicos, foram insuficientes para garantir os princípios do direito à convivência familiar e comunitária, de forma satisfatória. Faltou preparo para a vida pós-saída da instituição, e ao adolescente coube lidar com o desacolhimento e a desproteção. Não houve preparo profissional. Evidencia-se que a trajetória profissional foi favorecida pelo acaso, assim como dificuldade de o sujeito estabelecer vínculos, pois as relações são facilmente desfeitas e não se sustentam por muito tempo, sendo prevalente a sensação de que as pessoas desistem dele. Procura manter a ligação com o espaço territorial ao qual já se sentiu pertencente, orientando-se pela busca de criar, reviver vínculos afetivos, familiares e institucionais. Identificou-se que nem sempre a família é o lugar de trocas afetivas produtoras de potência, de proteção e acolhida de seus membros. Assim, questiona-se a intervenção e pressão do Estado em priorizar a convivência com os membros da família, mesmo quando a mesma não demonstra disponibilidade para tal feito. Esse estudo incita à necessidade de se desvendar artimanhas que possam instituir impedimentos para novas práticas psicossociais voltadas a crianças e adolescentes durante e após o acolhimento institucional
Abstract: This thesis discusses foster care and leaving the institution by analyzing what happened in the life of a young person ten years after leaving foster care upon reaching adulthood. The subject of the research was in institutional foster care and was attended by the researcher in the program “Family Replacement” in the years 2006 and 2007, in a municipality of the ABCD region of São Paulo. I sought to identify how the young person reorganized a decade after leaving foster care, by judicial decision, to date, analyzing the quality of the attachments in his procedure, which he had built with people in the family and institutional context, during that period. The data collection was conducted qualitatively and longitudinally, through the retrospective method, which uses the life narratives or biographical interview to reconstruct sequences of events in the life of individuals. The following procedures were used: bibliographic and documentary research, including laws, ordinances, research, and official documents of the judiciary, analysis of the subject’s medical records, and semi-structured interviews with the subject and with people in his family, in an attempt to encompass the totality of his life. The study is guided by the theory of socio-historical psychology, whose main theorist is Vygotsky and, in Brazil, Lane, as appropriated by NEXIN and its coordinator, Sawaia. The theoretical framework also included, respecting the epistemological differences, Winnicott’s concepts, which deal with the relationship between emotional development and the environment. Using the investigation method proposed by Vygotsky, we searched for units of meaning, common and individual. The results indicate that the type of follow-up the subject and his family received, before, during, and after leaving the foster institution, by the judiciary and public services, were insufficient to guarantee the principles of the right to family and community living, in a satisfactory way. He lacked preparation for life after leaving the institution, and the adolescent had to deal with the lack of care and protection. There was no professional preparation. Evidence shows that his professional trajectory was left to chance, as well as the difficulty of the subject to establish bonds, because the relations are easily disrupted and do not sustain for a long time, with prevalent feeling that people give up on him. He tries to maintain the connection with the territorial space to which he has already felt the he belonged, being guided by the search to create and revive affective family and institutional bonds. The family is not always the place of affective exchanges that empower, protect, and accept of its members. Thus, we question the intervention and pressure of the State to prioritize the coexistence with family members, even when it does not have availability to produce such a feat. This study prompts the need to discover ways that may instigate impediments to new psychosocial practices directed at children and adolescents during and after institutional foster care
Palavras-chave: Acolhimento e desacolhimento institucional
História de vida
Adolescentes - Assistência em instituições - Brasil
Assistencia social - Politica governamental - Brasil
Afeto (Psicologia)
Foster care and care leavers
Life history
Teenagers - Institutional care - Brazil
Charities - Government policy
Affect (Psychology)
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA SOCIAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social
Citação: Bento, Rilma. A vida após dez anos do acolhimento institucional: a processualidade dos afetos e vínculos. 2019. 181 f. Tese (Doutorado em Psicologia: Psicologia Social) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22235
Data de defesa: 29-Mar-2019
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Rilma Bento.pdf4,01 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.