???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3879
Tipo do documento: Tese
Título: Ongs e políticas neoliberais no Brasil
Autor: Coutinho, Joana Aparecida
Primeiro orientador: Almeida, Lúcio Flávio Rodrigues de
Resumo: o principal objetivo deste estudo é contribuir para o debate crítico sobre o papel das Organizações Não-Governamentais (ONGs) e o chamado "terceiro setor",na década de 1990, período de implementação de políticas neoliberais no Brasil. Busca-se apreender a lógica da integração do "terceiro setor" à reestruturação do capitalismo e o efeito de suas ações individualizadas e focalizadas no processo de desmantelamento das políticas sociais, supostamente universais. Defendidas como um espaço de "participação da sociedade", essas instituições contribuíram decisivamente para desorganizar os movimentos sociais. Legalmente respaldados pela chamada Reforma do Estado, o "terceiro setor" e sua parte mais visível, as ONGs, ascenderam a um patamar de "co-responsabilização" pelas questões públicas. Embora as ONGs sejam apresentadas como um espaço de participação popular e locus principal para o aprendizado da "cidadania", busca-se, neste trabalho, descortinar o que se oculta no "não-governamental" e também as estruturas que se constituem sob o véu diáfano do termo "organização". Considera-se a hipótese de as organizações autodenominadas "terceiro setor" funcionarem como um "colchão amortecedor" das contradições sociais, no momento em que milhões de homens e mulheres proletarizados se inserem muito "precariamente" (ou nem isso) no processo de produção. A função das instituições aqui estudadas extrapola amplamente econômico. Seu sucesso é, sobretudo, ideológico. Incorporadas aos espaços "oficiais", as ONGs, em sua imensa maioria, não mantém as mesmas relações que tiveram, no início: funcionam como empresas de consultoria. Apresentadas como organizações não burocráticas e transparentes, estão em relação de dependência e submissão às suas fontes financiadoras altamente hierarquizadas e opacas O debate aqui proposto incide diretamente sobre o exame da relação Estado/classes sociais e sua inserção no processo de reestruturação do capitalismo ao longo das últimas décadas em especial no que se refere aos mal-entendidos teóricos (e seus efeitos ideológicos) em torno da atual crise e das cambiantes relações entre o público e o privado neste sistema
Abstract: This study aims at giving a contribution to the critical debate about the role of the Non-Governmental Organizations (NGOs) and the so called "third sector" during the decade of 1990, a period when some neoliberal policies took place in Brazil. The research attempts to apprehend lhe logic that has governed the integration of the "third sector" in the reorganization of the capitalism, and the results of its actions which are individualized and focused on the dismantling of the social politics supposed to have universal validity. Considered as a possibility of providing effective "participation in the society", these institutions that belong to the "third sector" contributed to disorganize the social movements. Legally supported by the Reform of the State, the "third sector" and its most visible part (the NGOs) ascended to a stage of "co-responsibility" in concern to the public affairs. Although the NGOs are usually referred to as a place of popular participation and as a main locus to the learning of citizenship, this study is aimed at spotting the hidden meaning in the idea of the "non-governmental" and also emphasize what is conveyed through the term "organization". It is considered the hypothesis that the organizations which entitle themselves as "third sector" act in a way to soften the social contradictions, precisely when millions of men and women belonging to the proletariat are "precariously" introduced (or not even so) in the process of production. The function of the institutions that we have studied overtakes the economic aspect. Their success is mainly ideological. Incorporated to the "official" spaces, the majority of the NGOs do not keep its original purpose and work as consulting services. Even thought they present themselves as non-bureaucratic and transparent organizations, they are in fact depended on its financial sources, which are highly hierarchically arranged, and are submitted to them. The debate that it is here proposed focus directly on the careful inspection of the relationship between State and social classes and its insertion in the process of restructuring of the capitalism during the last decades, specially concerning the theoretical misunderstandings - and its ideological effects - on the current crisis and the instable relations between the public and the private spaces in this system
Palavras-chave: Organizacoes nao governamentais
Associacoes sem fins lucrativos
Politicas neoliberais
Ciencias Sociais
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Ciências Sociais
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Citação: Coutinho, Joana Aparecida. Ongs e políticas neoliberais no Brasil. 2004. 246 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3879
Data de defesa: 30-Dec-2004
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
joana aparecida coutinho.pdf13,27 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.