REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/4643
Tipo: Dissertação
Título: O conceito de mito na obra de Roland Barthes: desdobramentos e atualidade
Autor(es): Padilha, Conrado Valle de Queiroz
Primeiro Orientador: Motta, Leda Tenorio da
Resumo: O trabalho tem por objetivo primordial apresentar o conceito barthesiano de mito , conforme definido em Mitologias. Trata-se também de acompanhar seus desdobramentos na obra de Roland Barthes por meio de um pequeno conjunto de textos selecionados: O grau zero da escritura, Mitologias, Elementos de semiologia, O óbvio e o obtuso, Roland Barthes por Roland Barthes e A câmara clara. Tal busca demanda trabalhar com o conceito de conotação, através do qual Barthes define o mito enquanto uma mensagem de ultrassignificação. Jogamos com a hipótese de que o conceito de studium, tardiamente introduzido em A câmara clara, é a reformulação do mito no campo da fotografia, já que Barthes vê aí o mesmo efeito característico do fenômeno conotativo. Assim, o corpus da pesquisa é dado pelos referidos textos do autor. Pelo caráter oportuno, este corpus é acrescido do repertório de imagens fornecido pela pesquisadora Jacqueline Guittard em seu Mitologias ilustrado, que retoma e aumenta a edição até aqui conhecida; a isto acrescentam-se ainda as imagens de A câmara clara. A relevância da pesquisa liga-se à possibilidade que a obra de Barthes nos oferece de voltar às comunicações de massa uma crítica ao mesmo tempo semiótica e histórica, sempre atenta ao trabalho do significante
Abstract: The cardinal purpose of this work is to present the Barthesian concept of myth as per its definition in Mythologies. It is also an attempt to follow how it unfolds in the work of Roland Barthes through a small set of selected texts: Writing Degree Zero, Mythologies, Elements of Semiology, L obvie et l obtus, Roland Barthes by Roland Barthes, and Camera Lucida. This research implies in handling the concept of connotation, through which Barthes defines the myth as an ultra-signification message. We here play with the hypothesis of the concept of studium, belatedly introduced in Camera Lucida, as a reformulation of the myth in the photography field, since Barthes himself sees in it the same characteristic effect of the connotative phenomenon. In such a manner, the corpus of this research is given by the author s mentioned texts; for its convenient aspect, it is also added of the repertoire of images offered by the researcher Jacqueline Guittard and her Mythologies illustrées, which recaptures and expands the edition known so far; the images of Camera Lucida are also added to it. The relevance of this research is tied to the possibility offered by Barthes oeuvre to criticize the mass communications in a historic and semiotic perspective, always paying attention to the work of the signifier
Palavras-chave: Roland Barthes
Mito
Conotação
Crítica cultural
Myth
Connotation
Studium
Cultural criticism
CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: BR
Editor: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da Instituição: PUC-SP
metadata.dc.publisher.department: Comunicação
metadata.dc.publisher.program: Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Citação: Padilha, Conrado Valle de Queiroz. O conceito de mito na obra de Roland Barthes: desdobramentos e atualidade. 2014. 70 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4643
Data do documento: 8-Ago-2014
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Conrado Valle de Queiroz Padilha.pdf1,22 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.